Ana Sofia Paiva


Breve

Ela volteia no lago do muro. 
É um cisne de asfalto. 
Ela assombra, é sombra glamorosa, adumbrada
na parede turmalina dos meus olhos,
espraiando o meu coração inteiro pela calçada 
em piruetas de carvão.

Ela ateia um circo de sonho na praça dos meus olhos,
sem plumas de Paris.
É no meu quarto que ela dança,
que ela avança,
que ela diz: 
“Breve.” 

Ela dança na rua, pelos becos da calma.
Ela dança luas de cinza no teatro da alma.
Ela salta, ela exalta à luz da ribalta, ela diz: 
“Breve!” 

Ela falta. 
Ela falta. 

Infinita vai a noite, e sossegadamente leve.

Leio as águas, leio o vento, 
leio em cada movimento de lentura 
o perfume de uma ausência. 

Voará. 
E eu, corpo dançado de tantas passagens, rio 
escorrendo na clepsidra de algum porto, resistirei.

Breve sou, breve sejas. 
Breve seja a dor até ao fim do mundo.


Texto : Ana Sofia Paiva
Foto : Estelle Valente

~ 0 commentaires: ~

~ Postar um comentário ~

Fotógrafa.

Tecnologia do Blogger.

+

Blogger templates

Followers

Blogroll

About

About